55

Bem, acabo de terminar o capítulo 55 do “Tijolo” (o nome carinhoso que eu dei ao prequel). Foi um capítulo que, em certos aspectos, me deu nojo de escrever, não só visualmente mas por mostrar o quão podre alguém pode ser em busca de poder.

Depois de 100848 palavras (sim, isso tudo) e suaves 3994 parágrafos (entenderam porque tijolo?), eu posso dizer, sem medo de ser feliz, que uns 3/4 ou mais da história já estão prontos e que eu caminho já para o desfecho desse gigantesco projeto.

Novidades

Bem, depois de um longo e tenebroso inverno, aqui estou eu de volta. Ok, não tão longo, nem tão tenebroso nem tanto inverno assim, sabe como é, escritores tem o péssimo hábito de exagerar (ou ao menos eu tenho).

A viagem à NY (na verdade NY + Delaware) me fez muito bem. Além de eu ter conseguido relaxar um pouco e ter conhecido uma cidade que eu sempre quis conhecer (recomendo para todos que tenham chance, NY é incrível), ainda conheci duas cidadezinhas lindas no Delaware (Milton e Rehoboth Beach, a auto proclamada capital nacional do verão), bebi algumas cervejas fodas e voltei com algumas ideias na cabeça.

Já consegui escrever um capítulo novo do tijolo, um capítulo que não estava previsto no meu rascunho inicial mas que me permitiu introduzir um personagem que à “séculos”, eu queria introduzir nos meus livros, e tenho ideias engatilhadas para o próximo capítulo, que deve sair assim que eu superar meu vício em “Fire Emblem Heroes” (“maldita” Nintendo e seus jogos viciantes).

Entao, por hoje é só! Até qualquer dia desses.

 

Viagem + Relatório do Prequel

Em primeiro lugar: não,o prequel não avançou quase nada, esperava que o período de ferias do hospital me permitisse escrever mais mas estou travado essa é a verdade. Acha que de férias eu conseguiria tirar a história de dentro da minha “cachola” e passa-la “para o papel” (ou no meu caso, para a tela do tablet) mas ledo engano o meu.

Espero que a semana que vou passar em NY me ajude a destravar.

Bem, é isso e até qualquer outro dia 🙂

 

Mais um ano…

Primeiramente: mil desculpas. Eu passei um ano, sim, um ano sem postar aqui. Até me assustei quando vi. Tenho atualizado a parte de materiais extras, atualizei algum conteúdo em inglês mas postar aqui que é bom, nada…

Adoraria dizer que tenho um novo livro pronto, preste à sair mas, bem, não é verdade. O próximo livro, que eu carinhosamente apelidei de “tijolo”, não foi abandonado, longe disse, está com uns dois terços ou até mesmo uns três quartos escritos. E segue avançando, lentamente, com a velocidade uma tartaruga manca, sempre que a vida corrida me permite escrever (e o meu cérebro não dá “tela branca”) mas segue avançando. Quem sabe em 2017 eu não termino finalmente de escreve-lo? Desejem-me sorte.

Ps: um conselho? Não escrevam “prequels”. Nunca. Dá um trabalho gigantesco principalmente quando se é um escritor como eu que adora citar o passado nos seus livros…

Backup Sempre

Eu me orgulho de ser um cara organizado com meus arquivos digitais, tenho uma copia de todos meus textos, os já publicados e alguns inéditos em vários lugares (inclusive num pendrive do Darth Vader) e ontem fiz uma m das boas, já resolvida.

Qual? Na mesma conta de hospedagem que mantenho esse site, mantenho também um blog pessoal, que praticamente parei de atualizar em 2013 e um fórum antigo de outra época da minha vida. Por questões de segurança, mantenho os códigos de ambos sempre atualizados e, não é que atualizando o fórum eu fiz uma m monstro? a sorte é que eu consegui achar um backup velho pacas e usando este e reescrevendo alguns arquivos em php eu consegui resolver o problema.

Agora, falando de texto, continuo trabalhando o projeto do “prequel”, que mostrará como Lucca e Ardriel se conheceram, porem esse segue avançando em passo de cágado manco e bêbado. Se minha vida profissional deixar e se eu não me enrolar, em 2016 eu termino ele e espero que gostem bastante dele.

Ah, e “The Return of White Knight” saiu lá nos “States” com uma capa reformulada e super trabalho da minha querida editora Noga Sklar. Alias, motivado pelo lançamento do livro eu até comecei a incluir parte do material extra aqui disponível em inglês, como podem ver no botão “English” que tem na barra do topo.

Bem, por hoje é só, pessoal. Espero voltar a postar aqui com mais frequência e mesmo que eu não poste, sintam-se livres para comentar aqui ou mandar um email para lucas.noritvy@gmail.com.

“In english”

Acho que o titulo do post já deixa tudo claro, né? Em abril, se não ocorrer atrasos, “The Return of the White Knight” sairá para o mercado em inglês via Amazon.com. É uma tentativa de tentar alcançar um mercado mais global. Desejem-me sorte.

Ano Novo, Material Novo

Bem, ano novo, material novo. Atualizei os links na área de material complementar, colocando a 3ª edição do “Material Complementar” em versão .pdf e em versão .mobi. Acrescentei algumas definições de raças e espécies e editei alguns erros de português. Espero que gostem!

O Começo de Tudo

Como um escritor “cria um mundo”? Como ele começa? Da onde ele tirou tal ideia? Vocês nunca se fizeram tal pergunta? Pois bem, eu já. Quase sempre que eu lia um livro eu me pegava perguntando: “cara, como ele criou isso?”

Alguns escritores famosos já contaram. O professor Tolkien relatou que tudo começou com ele escrevendo num canto de uma prova: “num pequeno buraco viva um hobbit”. Stephenie Meyer, autora do sucesso “Crepúsculo” (gostem ou não, é um sucesso) disse que tudo começou com um sonho que ela teve, onde ela encontrava um vampiro bonitão e sedutor (é, acho que ela errou a mão ao criar o Edward).

Bem, brincadeiras à parte, todo o escritor tem o seu começo. Eu comecei com um desenho. Não feito à mão, por mim pois, como bem sabem, como desenhista, bem, sou um nobel da literatura, mas  feito num site/programa chamado Herofactory (que até hoje existe e pode ser acessado aqui, embora essa não seja a versão que usei à “séculos” atrás). Usando os recursos desse site, eu fiz o desenho de um cavaleiro, usando uma armadura branca com detalhes azuis e carregando duas espadas. Acredito que já entenderam aonde quero chegar, né?

Empolgado com desenho, comecei a rascunhar uma historia chamada de “Guardiões do Nexo”, em um formato que lembrava o de um roteiro de TV, em idos de 2001, que foi mostrado para alguns colegas do pré vestibular que eu frequentava. Veio o vestibular, o inicio da faculdade de medicina, nova vida, novos amigos e o projeto acabou ficando de lado.

Já na faculdade passei a frequentar um fórum de discussão sobre Tolkien (era a onda do “Senhor dos Anéis”, com o lançamento dos filmes). Lá havia uma área reservada para novos escritores postarem seus textos para os outros usuarios lerem e darem palpites. Me valendo do anonimato fornecido pelo fórum, quebrei minha trava criativa e comecei a escrever. Inicialmente alguns contos curtos, alguns fanfics e algumas historias que envolviam humor e aventura e cujos personagens possuíam os nomes de usuarios do fórum.

Mas aquilo não me contentava, eu sentia falta de criar algo meu, realmente meu.  Ai, um dia, enquanto estava fazendo exercícios na academia (sim, quando consigo eu tento fazer exercícios), deitado num banco usado para fazer supino com barra (para quem não sabe, é um banco onde os fortões, ou mesmo caras comuns como eu, deitam para levantar barras com pesos na ponta), pegando um pouco de fôlego, olhando para o teto da academia me veio a seguinte frase na cabeça: “Eu sou o Cavaleiro Branco mas como eu esqueci isso?”. E esse foi o ponto de partida para eu começar a escrever “O Retorno do Cavaleiro Branco”. Após o retorno positivo de alguns membros do fórum após lerem os primeiros rascunhos (isso por idos de 2005, 2006) eu levei o livro adiante e em 2007 eu registrava ele na Biblioteca Nacional, para garantir o registro intelectual de tudo o que eu havia escrito até aquele dia.

Depois daquele dia, alguns anos correram, algumas mudanças foram feitas até que eu conseguisse achar uma editora que me publicasse e até eu chegar na versão definitiva do livro que já conhecem. O resto? O resto é, literalmente, história.

Ps: Eu achei perdido nas minhas pastas de documentos o recibo do registro do livro na Biblioteca Nacional. Ele pode ser visto aqui

Volume III – Aonde Comprar – PT 2

Eu disse que voltaria para anunciar quando saísse a copia de papel e já saiu :). Confiram só em “Aonde Comprar” aqui em cima.

Volume III – Onde Comprar – PT 1

Bem, o Volume II, como prometido, já está no ar, ainda no mês de Agosto. Quer dizer, parte, pois no ar só está a versão digital para o Kindle.

O pod deve ir para o ar em dois dias no máximo.

E os links? Podem ser conferidos aqui em cima no “Aonde Comprar” 🙂